Obter a velocidade e a agilidade dos gigantes da nuvem

 

Está mais fácil do que nunca abalar setores e mercados com novas inovações.

A nuvem e a computação móvel, combinadas com a ascensão das mídias sociais, deram às empresas oportunidades sem precedentes de conquistar novos clientes com produtos e serviços inovadores. Isso é chamado de Economia das Ideias e permite que novas empresas causem impacto em seus setores rapidamente, enquanto deixam seus concorrentes mais estabelecidos penando para acompanhá-las.

Ter sucesso na Economia das Ideias exige que as empresas tenham a capacidade de transformarem suas ideias em valor com mais rapidez do que a concorrência. A Economia das Ideias põe uma pressão tremenda na TI para manter operações tradicionais enquanto implementa novos aplicativos e serviços para dispositivos móveis, redes sociais e a nuvem. A mudança resultante para aplicativos sob demanda e de alto desempenho deixou as organizações de TI penando.

Tradicionalmente, as operações de TI se concentravam em manter a infraestrutura existente, amplamente desenvolvida para lidar com as principais necessidades empresariais e executar aplicativos pré-embalados para automatizar funções empresariais internas. Para esses aplicativos que não geravam receita, as maiores prioridades da equipe de TI eram minimizar custos, riscos e ineficiências usando metodologias padrão, infraestrutura convencional e governança forte.

Nos dias atuais, porém, as demandas e expectativas dos clientes estão forçando as empresas a mudar o foco das operações de TI. A TI agora precisa dar suporte a dois modos de operações bem diferentes para fornecer serviços:

  1. Equilibrar recursos e investimentos necessários para manter sistemas legados de base em operação.
  2. Gerar novo valor integrando nova infraestrutura e serviços para manter a empresa competitiva e em crescimento.

Gerenciar ambos os modos com sucesso é essencial para a sustentabilidade de qualquer empresa hoje em dia.

Atualmente, as empresas estão tentando sustentar esses modelos distintos com equipes, hardware e processos separados. Em um esforço para reduzir a complexidade e consolidar as operações, alguns departamento de TI estão tentando implementar operações de nuvem pública como solução. Porém, as diferenças significativas entre o ambiente corporativo e o ambiente do fornecedor do serviço dificulta para as corporações alcançar um estado completamente otimizado.

 

“Entre 2013 e 2020, o investimento das organizações em mobilidade, redes sociais e tecnologias de Big Data (3ª plataforma) crescerá 20 vezes mais rapidamente do que o investimento das organizações em tecnologias de cliente/servidor (2ª plataforma).” – Previsão IDC

 

O caminho para o futuro da TI

A infraestrutura composta permite que a TI corporativa opere como uma fornecedora de nuvem para as linhas de negócios e o resto da corporação. Ela maximiza a velocidade, a agilidade e a eficiência da infraestrutura de base e das operações para atender consistentemente os acordos de nível de serviço e fornecer o desempenho previsível necessário para sustentar cargas de trabalho essenciais — hoje e amanhã.

Migrar para uma infraestrutura composta é um processo incremental. Se você quiser ter uma compreensão mais aprofundada, leia “Infraestrutura composta HPE: fazendo a ponte entre a TI tradicional e o Novo Estilo de Negócios” :

http://h20195.www2.hp.com/V2/GetDocument.aspx?docname=4AA5-813ENW&cc=us&lc=en.

Saiba mais em

hpe.com/info/ComposableProgram

Material extraido do site da HPE – Hewllet Packard Enterprise (2015)

1 Comentar

  • Publicado 30 de Janeiro de 2017

    Cristiano Carneiro Bernuzzi

    O desenvolvimento e incremento tecnológico da civilização humana dos tempos atuais além de incrível é crucial para a determinação do futuro mercadológico e modo de vida. Parabéns pela texto.

Responder